Alunos e professores sofrem em escola pública na Sacramenta

"É desumano a situação que nós estamos vivendo aqui no Acy"

0
210

Todos os dias os alunos e professores da Escola Estadual Acy de Jesus Barros Pereira enfrentam um sacrifício para poder estudar e trabalhar na instituição. A escola, localizada no bairro da Sacramenta, está há 10 anos sem nenhuma reforma e atualmente encontra-se com graves problemas de infraestrutura. Os docentes e estudantes denunciam a falta de água no local, além da merenda, indispensável aos estudantes de baixa renda, que muitas vezes contam com a escola como provedor da melhor refeição do dia.

A instituição conta com mais de 900 alunos e funciona nos três turnos: manhã, tarde e noite. Os estudantes contam que a maioria das vezes não tem aula e são liberados antes do horário previsto por falta de água ou merenda. O que agrava a situação de abandono do local por parte do Governo do Estado.

                                                        Foto: Jessé Lima

O estudante Gleidson Silva, 21 anos cursa o 3º do ensino médio e sente na pele o abandono da escola pelo governo do Estado. “Nós alunos do Acy estamos passando por uma situação de descaso em termos de educação e infraestrutura, é constrangedor, professores e alunos passarem por uma situação dessas que nós estamos vivendo aqui no Acy”, disse Gleideson Silva.

Uma breve visitava a Escola constatamos que as salas de aula encontram-se com os pisos quebrados e pedaços de lajotas pelo chão, cadeiras velhas e sem condições de uso, tornando assim um grande risco para professores e alunos que podem se machucar na sala. Além da falta de limpeza, as paredes com infiltrações, banheiros sem condições de uso, faz com que os alunos peçam ajuda para os seus pais numa tentativa de reconstrução da instituição.

                                        Alunos estudam em sala sem lajotas

“Nós como estudantes merecíamos melhores condições por passar o maior tempo na escola, à gente tinha que ter o direito de ter essas condições aceitáveis. Hoje aqui estamos passando por questões de falta de água, merenda e ventilação que hoje tá precário, as janelas estão sem as vidraças é algo que desanima”, afirma Gleidson.

Segundo os professores, a Secretaria de Estado de Educação- SEDUC já foi acionada pela direção da escola para tentar resolver os problemas, mas até agora nada foi resolvido. “É lamentável ver essa situação que nós estamos passando, já entramos em contato com SEDUC, mas até agora nenhuma resposta concreta, enquanto isso a comunidade estudantil vem nos ajudando para seguirmos com as aulas sem as mínimas condições”, disse uma professora da institucional, que prefere não ser identificada para evitar represálias.

A aluna do 3º Leticia Soane, 18 anos contou que os professores estão dando pontos para quem ajudar na limpeza da escola. “Às vezes para tentar manter o ambiente limpo, nossos professores oferecem pontos para as avaliações, mas nós ajudamos sem querer nada, ajudamos para termos um futuro melhor. Já tirei dinheiro do meu bolso para comprar material de limpeza”, disse.

A estudante ainda relata que dificilmente vai ao banheiro. “Não tem condições de ir ao banheiro da escola, não tem descarga, é muito sujo. É desumano a situação que nós estamos vivendo aqui no Acy”. Concluiu Leticia.

                                           Foto do banheiro da escola
                                       Corredores sem a limpeza diária

Protesto para salvar o Colégio.

Numa tentativa de chamar atenção das autoridades e sociedade os estudantes e professores estão mobilizando a comunidade do entorno para participar do ato que vai ocorrer na próxima terça-feira (25), pela parte da tarde, no cruzamento da Senador Lemos com Dr. Freitas, em frente ao posto de Saúde da Sacramenta. Segundo membros do movimento, será um protesto pacífico, sem brigas e depredação. O ato tem como principal objetivo pressionar o governo na melhoria da instituição de ensino.

Até o fechamento da matéria a Secretaria de Educação do Estado do Pará (Seduc) não respondeu aos questionamentos da produção.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here